N.º VERDE962 999 229       Mail: info@clinicadamao.pt    

Portuguese English

Dormência da Mão/Dedos

 

“Sr. Doutor, acordo de noite com a mão dormente, sem sentir os dedos e com dor que não me deixa dormir…

ultimamente já deixo cair as coisas da mão sem dar conta”

 

    Esta é uma queixa frequente, principalmente em senhoras de meia idade (após-menopausa) e de longa evolução. Com grande probabilidade estamos na presença de uma compressão nervosa no punho: ver Síndrome do Túnel Cárpico.

Contudo, existem outras alterações que igualmente provocam “mãos dormentes”. É por este motivo, necessário excluir outra causa de compressão: na coluna cervical por hérnia cervical / alterações degenerativas; ou compressão em outro nervo que atravessa o punho: Nervo Ulnar.

 

   O Nervo Ulnar (ou Cubital) é responsável não só pela sensibilidade do 5º dedo (dedo mínimo) e metade do 4º dedo, mas também pela força de preensão da mão. Este pode ser comprimido principalmente em dois locais: no cotovelo - Canal Ulnar; ou no punho - Canal de Guyon.

A compressão do Nervo ulnar, a nível do punho surge em associação ao Síndrome do Túnel Cárpico por alterações degenerativas; ou compressão por um tumor (geralmente quisto sinovial) ou por procidência óssea degenerativa do punho.

Deste modo é fundamental uma rigorosa avaliação global neurológica, de modo a determinar se existe compressão, ou menos frequentemente, fazer exclusão uma doença de natureza neurológica.

 

 

                                              

TRATAMENTO CONSERVADOR

   Por vezes a opção é um tratamento não interventivo, com recurso a analgésicos, imobilização ou infiltração dirigida de anti-inflamatórios. Contudo, estes não conseguem aliviar a compressão existente, apenas poderão dar alívio temporário, e adiam o tratamento definitivo: Tratamento cirúrgico.

     

TRATAMENTO CIRÚRGICO

   O tratamento destes Síndromes compressivos, faz-se pela descompressão e libertação microcirúrgica dos nervos e seus ramos acessórios  dos elementos que o comprime. Obviamente trata-se de uma operação que exige magnificação ocular de modo a manusear uma estrutura delicada como são os nervos periféricos.

Os resultados são imediatos, no alívio da dor e parcialmente da dormência. Infelizmente e devido ao adiar da decisão cirurgica, implica uma degeneração das células nervosas - axónios, não havendo a recuperação que o paciente deseja.

   A Clínica da Mão, defende uma intervenção precoce e um protocolo de estimulação neurológica imediata, para conseguir o melhor resultado clínico e fisiológico.

José Alexandre Marques, Dr.